Edição #2 – Verão/2019

Coordenadas Fantástikas

 

 

Para onde vão as narrativas fantástikas do presente e do futuro?

Na segunda edição da Revista Fantástika 451 queremos investigar quais são as tendências formais e temáticas das narrativas fantástikas contemporâneas na literatura, no cinema, nos quadrinhos ou em outras formas de arte.

Durante o século XX e o início do XXI, as narrativas fantástikas cresceram, multiplicaram-se, ganharam consistência, atraíram atenção e se consolidaram. Durante esse período, os principais gêneros foram definidos e redefinidos: Fantasia, Ficção Científica e Horror. Diversos subgêneros ou movimentos surgiram, das clássicas Hard SciFi, Alta Fantasia e Space Opera ao New Wave, Cyberpunk, Steampunk, Slipstream, Afrofuturismo, Queer, até às tendências mais recentes, como as Distopias Críticas, New Weird e Biopunk, entre muitos outros.

Temas dos mais variados têm sido abordados, especulando sobre o futuro ou o passado, ou até sobre como seria o futuro se o passado tivesse acontecido de outra forma. Como são as pessoas em outros planetas, em outras épocas ou dimensões. O que, afinal, nos torna humanos, e quais são nossos medos, projeções, esperanças. E o que faz da realidade mais ou menos real, mais ou menos factível, mais ou menos suportável. Quais são os conflitos sociais e políticos que somos forçados a tirar da invisibilidade graças à abordagem fantástika.

Essas e outras temáticas das narrativas fantástikas permitem nos render ao impossível, ao poder da magia e à imensidão do espaço, sem esquecer que aquilo tudo diz respeito a nós mesmos e ao mundo que nos cerca hoje.

E de hoje para a frente? Aonde essas jornadas vão chegar?

Os gêneros e subgêneros (ou modos narrativos) ainda fazem sentido, ou o hibridismo e as novas categorias pedem por outros tipos de distinção? Como se escreve ou se produz fantástika hoje, no Brasil e no mundo? Quais são as questões levantadas para o agora e para o amanhã por essas narrativas? Como traduzir, por exemplo, nosso Brasil irrealista em histórias fantástikas? Há uma tendência ao resgate de temas da mitologia ameríndia? As distopias continuarão como um dos temas mais sensíveis às contradições do mundo contemporâneo? O que dizem as obras atuais em suas entrelinhas, e como o dizem?

Além dessa discussão, a revista #2 traz artigos de outras temáticas e resenhas de obras fantástikas. Você pode ler a Revista #2 no Issuu ou baixar a edição completa em PDF.

 

Anúncios